Trabalhadores na Ford aprovam acordo que evita demissão de 850 trabalhadores

Assembleia com trabalhadores na Ford, em São Bernardo do Campo, sobre assuntos diversos. Foto: Edu Guimarães/SMABC

Assembleia com trabalhadores na Ford, em São Bernardo do Campo, sobre assuntos diversos. Foto: Edu Guimarães/SMABC

Em assembleia realizada na manhã desta terça-feira (28), os trabalhadores na Ford, em São Bernardo, aprovaram acordo que evita a demissão de cerca de 850 trabalhadores e garante a estabilidade no emprego até 2018. A proposta, construída ao longo de mais de dois meses de negociação entre o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e a empresa, garante também para este ano as cláusulas econômicas previstas no acordo anterior, como PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e reajuste já negociado na campanha salarial.

“Com este acordo conseguimos tirar o fantasma das demissões sumárias que pairava sobre a fábrica desde que a direção nos informou que não pretendia renovar o PPE. Ele vai dar conta de gerir o excedente nesse cenário de crise econômica, que tem impactado profundamente o setor automotivo, preservando os empregos e abrindo espaço para a discussão do futuro da planta”, afirmou o presidente do Sindicato e trabalhador na Ford, Rafael Marques.

A proposta aprovada prevê que a montadora otimize seu sistema de produção para atravessar o período de crise. Até setembro todos os metalúrgicos terão passado por um treinamento para que possam trabalhar nas duas montagens finais – de carros e caminhões. O Programa de Proteção ao Emprego (PPE) será renovado por mais três meses – até que o treinamento seja concluído.

A partir de outubro, encerra-se o PPE e o novo sistema será implantado, com produção voltando a operar de segunda a sexta-feira. Com a fusão, a empresa vai reduzir temporariamente o número de metalúrgicos nas linhas, gerando um excedente de cerca de 850 trabalhadores. O acordo prevê o início de um novo layoff para 450 metalúrgicos e a abertura de um PDV (Programa de Demissão Voluntária) com meta de adesão de 300 trabalhadores da produção e 100 do setor administrativo. A partir do fechamento dos PDVs, a estabilidade fica garantida até janeiro de 2018.

Durante a assembleia, Rafael Marques comentou a situação do setor. “As análises de mercado indicam que teremos uma recuperação muito lenta do setor se nenhuma medida de estímulo muito forte for feita pelo governo. A capacidade instalada é muito superior à demanda hoje e, por isso, a importância do acordo”, disse.  A Ford, por exemplo, anunciou mais um corte em seu programa anual, de 1200 caminhões e 750 carros, para a planta de São Bernardo. “O sindicato vai continuar fazendo pressão com a direção da empresa. A Ford de São Bernardo é uma planta que mostrou muita capacidade, já reagiu a crises várias vezes. Precisamos continuar mostrando isso e buscando investimentos para a planta”, reforçou.

O dirigente também lembrou a importância da luta dos trabalhadores para a construção do acordo. “Foi um processo longo de quase três meses de negociação. A mobilização dos trabalhadores em atos como a paralisação da Rodovia Anchieta no início do mês, foi muito importante. Esse envolvimento ajudou a dar um rumo nas negociações”.

Pin It

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *