Parque Tecnológico de Santo André recebe sinal verde para credenciamento pelo Estado

Parque Tecnológico - Santo André - Coletiva - Foto-Diego_BarrosReconhecimento pelo Sistema Paulista de Parques Tecnológicos é a primeira etapa para implantação de projeto que fomentará a pesquisa e o desenvolvimento de novas tecnologias na região

 

A região do Grande ABC está mais próxima de efetivar a implantação de seu primeiro parque tecnológico. No último sábado, dia 17, foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo autorização para o credenciamento do Parque Tecnológico de Santo André ao SPTec (Sistema Paulista de Parques Tecnológicos). O andamento desta que é a primeira etapa de implantação do empreendimento avançou a partir de 2013. Um dos pontos foi que destravou o processo foi a realização de convênio entre a Prefeitura de Santo André e a Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC, em 2014, que tornou a entidade regional a gestora da iniciativa, cumprindo requisito para o credenciamento ao sistema estadual.

 

A atualização da legislação municipal para garantir incentivos fiscais destinados às empresas que se instalarem no Parque Tecnológico, que prevê, de modo geral, incentivos à inovação na cidade, também foi requisito atendido pela Prefeitura de Santo André em 2013 para permitir o credenciamento do empreendimento ao SPTec.

 

Durante entrevista à imprensa regional na tarde desta quinta-feira, dia 22, o prefeito Carlos Grana afirmou que o credenciamento no Sistema é o primeiro passo para que o Executivo e a Agência GABC busquem recursos junto ao Governo Estadual e à União para viabilizar a iniciativa. Reunião com o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e vice-governador de São Paulo Márcio França deve ser agendada para os próximos dias.

 

Para agilizar o processo de implantação, além das duas áreas já disponibilizadas pelo município para a construção do Parque Tecnológico (um terreno na Avenida dos Estados e área no Campo Grande, próximo à Paranapiacaba), que totalizam cerca de 200 mil m², a Prefeitura também disponibilizará para o projeto o espaço onde funcionava a Rhodia Química. “Também vamos credenciar esse espaço físico, tendo em vista que já conta com instalações e, portanto, encurta o caminho”, anunciou Grana. A nova área possui 8 mil m², dos quais 5 mil m² são de área construída.

 

O presidente da Agência GABC e prefeito de Mauá, Donisete Braga, presente na coletiva à imprensa, relembrou exemplos bem sucedidos de parques tecnológicos em todo o país e enfatizou a importância de, a partir da decisão da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, a região se organizar para seguir com as próximas fases do projeto. “Com a iniciativa do prefeito Carlos Grana de se debruçar sobre esse tema, conjugado com o Consórcio Intermunicipal Grande ABC e a Agência de Desenvolvimento Econômico, o ABC certamente trabalha na lógica de aperfeiçoar cada vez mais a tecnologia, a modernização e, principalmente, a inovação”.

 

De acordo com o prefeito Braga, as novas oportunidades de negócios e de upgrade tecnológico provenientes da indústria da defesa, assuntos que estão sendo analisados em estudo liderado pela Agência GABC, em parceria com o Consórcio Intermunicipal GABC, também poderão estar associados ao Parque Tecnológico de Santo André. “Estamos construindo pontes muito seguras para colocar o ABC novamente em posição de protagonista”, afirmou.

 

O Parque Tecnológico de Santo André é um empreendimento destinado a abrigar empresas de base tecnológica, que podem ser do próprio município ou de fora, que queiram se instalar no complexo. Trata-se de um investimento de cunho tecnológico, social e ambiental, com retorno econômico/financeiro, em virtude da infraestrutura local, unindo indústrias, prestadores de serviços, comércios, universidades e governo, em prol do desenvolvimento de novas tecnologias.

 

Entre as vocações que poderão ser exploradas pelo empreendimento estão, segundo a vice-prefeita e secretária de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia de Santo André, Oswana Fameli, Tecnologia da Informação; ciências da vida (relacionada à área da saúde); química, petroquímica e plástico; metal mecânico; e comunicação.

 

O projeto prevê a instalação de unidades de ensino e pesquisa, núcleos de inovação tecnológica e agências de inovação e competitividade de instituições científicas e tecnológicas, bem como entidades de intercâmbio com o setor produtivo, laboratórios de ensaios, organismos de certificação e laboratórios para a certificação de produtos e processos, incubadoras e pós-incubadoras de empresas de base tecnológica, estimulando a sinergia de experiências entre as empresas, tornando-as mais produtivas.

 

Sobre o convênio entre Prefeitura de Santo André e Agência de Desenvolvimento Econômico GABC:

 

Em maio de 2014, a Prefeitura de Santo André assinou convênio com a Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC que tornou a entidade regional a gestora do projeto. O convênio tem vigência de até 60 meses. O convênio é um acordo entre as instituições que determina as condições através das quais as partes efetuarão o desenvolvimento de política de cooperação para a promoção das ações de implantação, gerenciamento e governança do Parque Tecnológico de Santo André.

Pin It

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *